Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

22.06.21

Uma porta que ora se abre, ora se fecha. Nas imediações deste nada, o louco contabiliza a entrada e a saída de espíritos. Só precisamos de um punhado de loucura para singularizar o quotidiano.

Autoridades desinfectam os bordéis de eufemismos e perífrases, as pragas mais comuns do século. Há velhos empilhados em furgonetas, qual cortiça, parando em todos os apeadeiros da solidão. Próxima paragem: cemitério.

Lutadores férreos na arena da hipocrisia, no entanto, basta um olhar e estão desarmados. Um instante para me inteirar do mais importante. Antes de o corpo ser baleado por uma salva de mentiras, o amor, no rescaldo, poesia.

Canetti esclareceu-nos em relação ao Homem: “Tudo o que aprendo transformo em medo”. Fugir ao conhecimento com um sorriso nos lábios, como o bobo que ridiculariza, em plena queda, as alturas.

Autoridades encefálicas procuram milhões de neurónios em fuga. Graças à machadada da arte, escapuliram-se da cabeça aberta em duas faces. Foram feitos reféns por um perfume. O resto está por apurar.

Arte penteada, para não envergonhar ninguém. O embuste acabará um dia; houve artistas que esconderam dinamite em quadros aparentemente inócuos. Hei-de dinamitar um século inteiro com a minha obra, cogitava um escritor na sua mansarda.

Século XXX, os Himalaias de lixo. Alpinistas ricos escalam montanhas reais, pobres, montanhas de lixo. Onde residirá o verdadeiro desafio?
Somos fúria, som, duas mãos e nenhuma cabeça. O decapitado ambiciona subir às alturas inacessíveis. Possivelmente, uma reminiscência de Babel.

É preciso fechar o cometa numa sala e fazê-lo orbitar em torno de uma rosa decrépita. O gelo e o degelo foram suspensos. A rosa enquanto centro pulsante deste microcosmos.

Objectivo de vida: acordar cedo todos os dias com o fito de catalogar borboletas nunca antes vistas.

A vida é um voo gaguejado de A a Z.

Actéon enlouqueceu com os cães dentro da cabeça. Volta e meia as vozes surgem apinhadas de dentes.
As coisas não saem forçosamente como nós desejamos, nem nos livramos da maldição sem nos aproximarmos da morte. Estamos sujeitos aos caprichos dos deuses. Hoje companheiros, amanhã predadores. Não há forma de nos defendermos daqueles que outrora amámos.

A memória é a homenagem ao fogo e à Biblioteca de Alexandria. O que arde e o que fica é um mistério.

O poeta abre a boca, a fénix assoma-se, só com a cabeça de fora. Há milénios que escolheu as goelas do vate como ninho. Reza a lenda que se acoitara no efémero para dar mais valor à eternidade.

O nome da amada está ligado ao ventilador, provavelmente não resistirá. Contamos os dias como quem conta sílabas num poema alexandrino. O que se observa no poema não é um pássaro, é uma palavra cheia de surpresas que, verso sim, verso não, regressa para nos ensinar a voar.

Paixão, amor, ódio, esquecimento. A que temperatura ardem os nomes? Respondo: ardem ao rés do zero absoluto.

A que temperatura ardem os nomes?

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Sigam-me

Partilhem o blog