Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

15.06.21

Assustamo-nos com frases, ontem com feras. A frase como uma gruta apinhada de ursos.

O mundo? Respondo que não o vejo há dias. Que o perdi de vista quando comecei a escrever o livro.

Quando a ave canora se distrai um segundo, o poeta avança. Eis o ofício de paciência: aproveitar as pausas das aves para treinar o canto.

A apresentação de um livro é inútil. O mais que se pode fazer é anunciá-lo à plateia como uma mãe que anuncia o nascimento de um filho. Nada se pode dizer daquilo que acabou de nascer.

Repetir alto o nome de Deus até ele deixar de fazer sentido. Quantas repetições serão necessárias até Deus se dissolver no ar? Apontar o número de vezes que é preciso repetir uma palavra para esta perder sentido. Eis um indicador da sua força.

Uma piscina vazia povoada por um casal de patos que acabou de aterrar. Outrora a piscina era sinónimo de felicidade e lazer. A desilusão que é regressar aos sítios onde fomos felizes.

Como se chega com a mão ao coração sem abrir o peito? Carne permeável ou impermeável ao olhar demorado.

Cada número representa um tijolo de uma ficção de perder de vista.

Memorizo poemas como se adoptasse cães. Em momentos de perigo, principio a dizê-los em voz alta. Bater à porta de pessoas ao calhas e perguntar-lhes se não gostariam de ouvir um poema. Ideia: Uber de poemas. Mandar vir poetas para nos dizerem poemas à porta de casa. Esgotar todas as rotas da salvação antes de desistir.

É um cadáver encalhado — refiro-me ao cachalote sem nome — com várias vidas lá dentro. Uma comunidade de Jonas sai um a um do corpo putrefacto.

O mar revolto tomba-nos sem pedir licença. Ficamos a sós com a nossa queda. Ou levantamo-nos ou afogamo-nos. A dificuldade que é encontrar mãos solícitas no meio do oceano. No que pensará o náufrago minutos antes de desistir? Uma síntese, motivos para nos mantermos à tona. Em faltando tábuas, agarrarmo-nos a memórias.

Arte adulta, a saber: livros, poemas e frases adultas, que não dependam de mim para continuar vivos. Menos que isso é um falhanço.

Se não te divorciaste dos fantasmas, és uma casa assombrada ambulante. Sujaste o muro de poesia, diz o fiscal da normalidade ao poeta. Olho em volta, as pessoas são agora pontos ao sabor da maré, peixes resignados ou mortos. O poeta terminou o seu último poema: não desejo isto a ninguém. Ouve-se um tiro.

Um único verso. Isolado da obra como um idoso sem familiares.
Em certos labirintos, há cobaias a deambular sem queijo nem objectivo.

Respirar tornou-se ainda mais decisivo. Não se deve olhar para os números quando estamos sem fôlego. A folha de cálculo é incapaz de nos ofertar oxigénio.

O mundo está a morrer, comentou o velho. Não haverá funeral, não há onde o enterrar, ripostei com um sorriso amarelo. E continuei: daí a necessidade de bombas cada vez mais potentes, urge reduzi-lo a cinzas.

O velho fuma um charuto à porta da igreja. O milagre tem-me na mão. O mundo é o mesmo de sempre, mas sem brilho.

Avanço com a mão vendada rumo a um nome que julgo amar.

 

Cobaias sem Queijo nem Objectivo, Roberto Gamito

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Sigam-me

Partilhem o blog