Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

15.07.21

O…marimbem-se para o nome da personagem…esse ar competentemente feliz, o qual é um misto de intrepidez e desajuste face à época actual, que o caracteriza em dias de caricaturas elogiosas, apressa-se a entrar na sala maleável das convenções, pois é impensável que se misture com a ralé das ideias isoladas, as quais andam por aí saltando de cabeça em cabeça sem jogarem as unhas a nenhuma agenda política. Como sorri a qualquer tufo nómada, ultrapassa o facto de ser escandalosamente estúpido pela via da simpatia maquinal. A simpatia, assim como o pé-de-cabra, abre-nos muitas portas.

Papando dissabores qual mendigo à solta num banquete, descobriu, sem auxílio de mestres ou canhenhos que agissem como faróis, o caminho certo de entre o novelo de possibilidades. Aos poucos, aprendeu a exteriorizar a ganância segundo a moda, oscilando entre ganas de animal que não larga o osso e a pacatez de um velhote que já viu tudo.

Podia fazer, se houvesse miolo para tal, conjecturas de paraísos artificiais em relação aos próximos anos, que se avizinham macabros. Inúmeros fogachos incapazes de deixar descendência. Perdoem-me o desnorte, mas o incêndio aproxima-se.

O faro está aguçado como nunca. Há muito que não era joguete do rastro de perdizes postiças. As aparatosas quedas desse Ícaro armado em Super Mário com múltiplas vidas pertencem ao passado — imperador inderrubável de tudo quanto é valioso. As desajeitadas tentativas de voar são hoje apócrifas.

Quando são enumerados os maiores caídos da História, o seu nome vem forçosamente à baila, é demasiado grande para ser esquecido. Contudo, os biógrafos das suas múltiplas vidas encarregaram-se de pintar esses quadros com cores mais alegres, deslocando a verdade para o estaleiro das obras inacabadas. Seja qual for a margem escolhida para o acampamento, seja ela a verdade ou a mentira, há uma faca afiada à nossa espera.

Como explicar que D., o novo deus que ia fazer as folgas do dinheiro, tivesse desistido de erigir o novo Paraíso que já havia sido apalavrado? Estes novos deuses com fôlego demasiado humano não duram nada, somos obrigados a comprar um novo todas as semanas, sentenciava o sumo pontífice dessa religião onde os deuses nos ouviam por turnos.

Época de caça, peixe fresco, carne trepidante — tudo paleio de predador. Mete-te com alguém do teu tamanho, diz um pequenote para outro pequenote.

Por outro lado, além do cenário onde o negro foi pintado sobre o negro, ainda havia homens sonhadores. A título de exemplo, o ditador daqueles anos tinha o sonho de transformar o homem de carne e osso em bonequinho. Enchia-os de chumbo. Sem sucesso. E todavia persistia. Um exemplo.

Época de Caça, Roberto Gamito

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

subscrever feeds

Sigam-me

Partilhem o blog