Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

13.02.21

Que nenhum dogma passe uma rasteira ou belisque a trajectória do Homem. Um quadro, seja ele estático ou dinâmico, animal ou estátua, deve enfeitiçar-nos ao primeiro olhar e só devemos despertar quando a metamorfose estiver concluída. Podemos jornadear até aos territórios vastos e mutantes da infância, voar até aos píncaros da imaginação, naufragar até às profundezas do passado mais recalcado, com as mãos atrás das costas ou com elas à frente do corpo, da carne, como se a carne e a mão falassem línguas distintas e o cérebro fosse um tradutor de vão de escada, dono de uma fluência artificiosa.

A morte. Fim. Não há necessidade de dizer tudo o que pode ser dito sobre o assunto. Este eu é, ao mesmo tempo, animalesco e civilizado — e, o que é igualmente premente, devastador. O eu, artifício composto de restos. Como a personagem de O Homem sem Qualidades de Musil, Ulrich, sinto-me (qual bomba mansa, acrescento da minha cepa) a dar passos livres em todas as direcções. Quão fragmentado está o Norte? Quantas Ítacas preciso de amealhar com os meus passos de molde a consumar o regresso? Sou sem nome ou Ninguém, sou homem hipotético e provisório borbulhando aflitivamente num caldeirão de eus. O próprio grito admite hierarquias. Um cardume ou um viveiro deles: eis a colossal diferença.

Amor, sempre o amor. Tudo o que a mão alcança e persegue deve estar subordinado a esse desiderato. Há uma incitação que me diz numa língua acabadiça: nunca desistas de o procurar, o resto não é senão ficção.

O funâmbulo é que sabe andar nisto. Para citar Brian Dillon, o futuro está mais no instável do que no estável, e o presente não é mais do que uma hipótese que ainda não ultrapassámos. Pausa para digerir o oráculo. Esta passagem é instrutiva quanto à natureza polimorfa do tempo, perpetuamente esquiva, que se metamorfoseia, qual partícula do mundo quântico, consoante o, digamos, observador. A presença ou a ausência de observador muda tudo. O observador, no mundo quântico ou no amor, como agente principal da metamorfose. Citando Ovídio de memória, de formas mudadas leva-me o engenho a falar, mas primeiro — anda cá, leitor. Com efeito, sem observador o caos segue indomável.

O funâmbulo leva uma vida despojada no fio caprichoso; o futuro, o futuro bem debaixo dos pés. Uma existência sem barroquismos nem ademanes. A maromba como único luxo. Nós, comuns entre os comuns, passamos a vida a olhar para cima, fitando o céu desabitado, pondo no discurso inveja onde devia haver intrepidez. O funâmbulo trocou as musas pela morte, pelo que nunca estima equivocamente a importância de cada passo.

 

Presente e Futuro, Roberto Gamito

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Sigam-me

Partilhem o blog