Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

06.04.21

Não me importo de o reconhecer: há dias em que sou incapaz de escrever sobre os ditos temas sérios, a saber: vida, morte e amor. Os medonhos chamarizes — sereias, se preferirem — que nos acenam e saracoteiam de molde a engessar-nos, amiúde engendrados pelo tédio, impedem a expansão da língua. E todavia. Admiro a paciência do mundo, esse cabrão balofo não desiste facilmente de nós. Ao rés da mesa, encalhado qual cachalote no areal, entre copos, o bêbedo estrebucha o seu canto de cisne furibundo.
Talvez sejam antes de mais nada, refiro-me ao cérebro e o coração, apêndices decorativos, principalmente quando não ocupados a ofertar-nos dor em doses de elefante. Há coisas boas na vida, uma frase que costumo gritar nas ruas desertas — eu já não faço número. Repito essa magia uma e outra vez, mas nos recantos íntimos onde as máscaras descansam e revelam a precariedade do rosto insinua-se uma incerteza crescente.

O escritor — há quem, em pleno século XXI, o apode de artista — entra em trabalho de parto de cada vez que se aproxima de uma folha em branco. Sabem lá as mulheres (as não artistas, que as há) o que é a dor da criação. Sabem lá o que é dar à luz quando o mundo nos quer ver pelas costas. Deixei que o vento, às vezes lobo no seu linguajar nocturno, outras apenas vento a necessitar de edição, fizesse de mim o que bem entendesse. Consenti que pegasse em mim como quem pega num papagaio-de-papel e o eleva. Se esquecermos as tentativas goradas, os voos abortados e os enguiços até que é uma bela vida. Em havendo tempo, nesta ou noutra vida, havemos de debater todas as questiúnculas na entrevista, quem é como quem diz, no julgamento final. Apesar disso, respiro. De certo modo, achei isto significativo. Seria fútil descrever a respiração. Contentemo-nos com a sua fruição, que não é coisa pouca. Nunca vi, escrito ou gritado, ninguém a pronunciar-se desta maneira: "A respiração é o meu orgulho, a minha alegria, fui eu que, apesar das adversidades, mortes, amores caídos no esquecimento, a amestrei, contudo é ela que me borda a memória".

Mas raio de crónica vem a ser esta afinal? Considerem-na um prelúdio armado ao pingarelho. Ataquemos, finalmente, a carne: as mamas. Antigamente, as mamas eram abordadas directamente, hoje, neste império de fracalhotes, no qual a cabeça propícia ao cultivo de bambochatas singra, são, quando muito, cantadas tangencialmente. Aedos com medo de levar a língua às cordas.
Vamos fazer de conta que isto acontece. Aparecem as mamas no radar do homem. Este, armado em paladino da vulva, desbobina parvamente: toda montes de inteligência, montes de talento, montes de sofisticação. Mas que conversa vem a ser esta? O caralho está a pagar alguma promessa? Conheces a mulher de algum lado para lhe presenteares com tamanhas patranhas, para a sufocares com esse novelo de apodos?

A maior parte das palavras do meu repertório são demasiado simpáticas para caracterizar esse novo espécime masculino, esse filho da puta.

Ó Roberto, questiona o leitor espicaçado pela curiosidade, serás porventura um entendido em tetas? Sim, mas digo-lo com modéstia. Não adquiri a reputação de olheiro de mamaçal por meios desonestos, não levei a cabo trafulhas nem tive acesso a cunhas, se hoje sou uma sumidade no assunto é graças ao meu esforço incessante no tocante à vistoria de decotes. Entretanto o mar de leitores — dois ou três, mas o ego presta-se a delírios — é invadido napoleonicamente por uma convicção de que o homem está de posse de uma singular desenvoltura capaz de extrair poesia até do par de mamas mais parco, embora não saibam com certeza se esse conhecimento é transmissível para criaturas inexperientes, daí os soluços na hesitação.

Em jeito de achega existencial, as mamas são o guru que necessitam na vossa vida. Acompanhados pelas mamas, os altos e baixos da vida levam-se bem. Essa dança de úberes ensina-nos a ver o lado positivo até nos dias mais negros. Eis o que qualquer manual de brejeirice nos ensina, caso o leitor tenha paciência para o ler devidamente.

Estão mais alegres? Óptimo. Contudo, não é uma alegria qualquer, é uma alegria serpentiforme.

 

Mamas e os altos e baixos da vida, Roberto Gamito

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Sigam-me

Partilhem o blog