Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

23.04.21

Exagero na prosa? Acaso te referes ao alferes nos halteres? O taco taco a taco com o cassetete. Lince, tigre, homem inteligente, isto é, animais a caminhar sem medo para a extinção. O escritor avesso à depuração; no poial da década, o ruído a superá-lo dando às perninhas. Mão, versátil instrumento de captura. A interpretação rude da fuga. Munido com a inspiração, o vate do século repete sem maestria o papagaio, trocando as voltas à cotovia. Quem matou o canto desta vez? Fracasso num tríptico soluçar. Rosácea novelesca logo comentada. Prolifera a legenda. O silêncio faz-se sempre acompanhar de muletas inúteis. Na fronteira da província da metalucidez, os moços de recados eram ensinados a cuspir sem ganas nas convenções. Uma catanada nos gatafunhos: eis o bálsamo — outro embuste. Ao relento, lentos relatos sobre os regatos outrora povoados de histórias. Frases humanizadas graças à repetição, frases miseráveis todas sangue, suor e desgraça. O desequilíbrio padronizado segundo a época e a moda. Onde posso eu pousar este verbo em brasa? Corpo estacado na cadeira, mão migratória, uma mancha de texto qual bando de estorninhos. Mais um degrau aéreo na abstração. Alimento-me de ventos e labirintos. Um suspiro de perna curta, de pronto apanhado na curva pela garra predadora. Afobados, furibundos, de entaramelada convicção, as criaturas em farrapos. Os pintores vomitam face a tão sinistro retrato.
Mescla domingueira, engalanada para posar sem ousar. O Homem está morto. Anuímos em uníssono e prosseguimos sem soluços o banquete opulento. O pelintra versado no engano — perdoem-me, este é de outro quadro, não pertence aqui, é um estrangeiro à procura de oportunidades. Já está, já está. A vida? Não está, não está. Trabalhemos com o que temos.

A tempestade na língua não cai do céu.

 

Mão migratória, Roberto Gamito

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

subscrever feeds

Sigam-me

Partilhem o blog