Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

28.02.22

Num ano que já lá vai e a memória não acode houve uma viragem monumental na vida de Carlitos: abandonou o espaço exíguo da barriga da mãe, desistiu do ofício de contorcionista e fez aquilo que à época se chamava nascer. Brindou os presentes com um valente choro de tenor, dos quais pouco há dizer em seu abono senão que respeitaram escrupulosamente o dress code da maternidade: bata, crocs e sensualidade inexistente. Carlitos colheu algumas lágrimas, sorrisos de orelha a orelha e um “finalmente” abafado pela máscara do médico, o qual, segundo as más línguas, tinha um pastel de nata à espera no bar do hospital. Artisticamente falando, o choro não foi merecedor de uma recepção de tal natureza. Noutro contexto, teria sido recebido com gritos, pedradas e apupos embrulhados em palavrões. Felizmente, o recém-nascido foi abençoado com um público fácil. Há artistas que levam uma vida à procura de uma noite dessas. Rezo para que este episódio não fique marcado no seu inconsciente, caso contrário vai pensar que o mundo é fácil e ele um génio do canto. A vida encarregar-se-á de lhe facultar os obstáculos com os quais vamos depurando a nossa visão sobre o nosso valor, em havendo tempo, talento ou paciência para tal.

Mas avancemos nos anos, pois bebés nascem todos os dias, com mais ou menos berros e, não fossem os likes que garantem aos pais nas redes sociais, ninguém se lembraria deles, nem tão-pouco de fazê-los. Vinte anos volvidos após o nascimento, Carlitos abandonou a vida de taberneiro, negócio que havia estado na família desde há séculos. Fora criado como um homem desde que gatinhava numa família de bêbedos e havia quem dissesse, nas alturas em que a coscuvilhice amainava e os temas do dia perdiam o viço, que a árvore genealógica daquela família se assemelhava ao medronheiro. O nosso ex-taberneiro decidiu abraçar o sonho (mas em casa, para não passar vergonhas) e concretizá-lo. Desde os 10 anos que ambicionava ser o merceeiro com mais freguesia da vila. Actualmente, o antigo tasco, ponto de encontro de putanheiros calejados na arte “ai se eu tivesse a tua idade”, assumia-se como taberna gourmet, cujas transformações, a saber: bifanas a saber a sola de sapato de marca branca e o taberneiro não ser um virtuoso do palavrão, transtornaram a antiga freguesia a ponto de promover diálogo e algumas zaragatas. Embora se quisesse manter afastado do passado, Carlitos não pôde desperdiçar a renda baixa da loja ao lado. Entre o passado e o presente de Carlitos havia uma parede, que nem era das mais grossas. Mas já chega de poesia. Assim, à distância, a mudança de vida de Carlitos parece uma parvoíce, capricho próprio de malta jovem, contudo, à época, a mudança foi recebida com um misto de admiração e inveja. Quando pensou ter alcançado a felicidade, essa que só vem a meio dos livros como uma respiração antes da morte, foi surpreendido com a abertura de um hipermercado nas redondezas. A sua freguesia sumiu-se e ficou com a mercearia às moscas e com um ou outro camaleão, os quais sempre foram muito ligados ao comércio tradicional. À medida que o desespero de Carlitos se agudizava, apareciam tabernas, daquelas à antiga, por todo o lado, como se fossem cogumelos. Talvez a humidade da tristeza fosse a causa das tabernas, mas que sabemos nós da vida? Seja como for, continuamos na mesa da taberna a mandar bitaites.

O Sonho de Carlitos

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

subscrever feeds

Sigam-me

Partilhem o blog