Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

07.12.20

Se se deu ao incómodo de ler esta linha de índole estapafúrdia, peço, apardalado leitor, que consulte o seu médico de família. Não obstante não ser nada de muito grave, é preferível tratar do problema quando este ainda tem proporções modestas.

A minha posição (no que se refere a planos para o mundo, equipas da minha predilecção, iguarias fumegantes, posturas no sofá) não é uma idiossincrasia: é sinónimo de compenetrado estudo. No mínimo, apresentar-vos-ei um rol de baboseiras ponderadas.

Em tempos macacos como este, norteamos a vida por essa estrela contemporânea a que chamamos ‘normalidade’. Em chegados ao destino, encontraríamos, tal como está plasmado nas bíblias do capitalismo, o Menino Jesus polido, barato, a cheirar a novo e a um preço muito competitivo. Mas retomemos a normalidade com a mente generosamente aberta. Não é necessário ser nenhum intelectual com a quarta classe mal feita de modo a notar que o vocábulo está vulnerável a receber um espectro enorme de interpretações. Em linguagem corrente, é uma palavra que dá para tudo.

Não sou apenas eu — criatura solitária, fadada a um abismo ilegível e discurso facilmente negligenciável — que considero uma atitude assaz desagradável invocar a normalidade como se esta fosse o mais robusto dos argumentos. Por norma, evito socorrer-me do sopapo de modo a travar essa maré de imbecilidade, mas não é por falta de vontade. Em suma, tento ser humano dentro das minhas limitações.

Todas as pessoas razoáveis — não esquecendo tratar-se de uma espécie em vias de extinção à qual os biólogos e activistas não passam cartão — concordam comigo, condenando a ideia de normalidade ao terreno da estupidez maleável.

Diante da turba afeiçoada à normalidade — uma normalidade posta em discurso, mas refutada no acto — estamos totalmente sós.
Ao divergir, que é como quem diz pensar, oferecem-nos a cédula de eremita e nunca mais falarão connosco. Quando frágeis, carentes do calor da aprovação, damos por nós a ensaiar desculpas, vozeando o equívoco que antes nos parecia nitidamente absurdo, todavia é demasiado tarde. Mal abrimos a boca para enveredar por vias alternativas, somos logo engavetados no ataúde dos parolos.

Doravante somos beneficiários desse desprezo. Qualquer proposta de reconciliação transforma-se numa oportunidade perfeita para nos relembrarem o quão somos ingratos. Embaraçam-nos citando as nossas ideias com um tom apalhaçado. Rimo-nos, dado que não há outra escapatória. Por mais intelectualmente seguros que estejamos dos nossos raciocínios, somos criaturas profundamente sociais. Cientes do erro, encaminhamo-nos para a mansarda.
Eis o preço avultado de abrir a boca contra a turba.

 

normalidade, Roberto Gamito

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Sigam-me

Partilhem o blog