Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

18.11.20

Se se estabelecesse uma escala de decadência, o Homem esfarrapado entraria na categoria das ruínas indevassáveis, que é como quem diz, o turista é incapaz de abarcar a totalidade de um homem esboroado pelo tempo. A vida é esse monstro de duas caras: ora tememo-la, ora idolatramo-la.
 
O pensamento, e a reboque dele a literatura, são perturbações, passos avessos à clareza, gestos de uma coreografia interminável em direcção ao ignoto.
Num só movimento, o pensamento arranca árvores gigantescas pela raiz, qual Orlando furioso, lançando-as para a província onde a língua se acanha. A certeza tornada dúvida novamente.
Se preferirem, o pensamento é uma máquina de gerar abismos. Daí que, seja na vida, seja na literatura, a tendência actual seja evitar os socos no estômago em detrimento das carícias no ego. Recusamos o desafio, isso trar-nos-ia problemas corpulentos, a saber: abriria rachas no ego, o qual se julga dono do conhecimento e por conseguinte capaz de decifrar cada migalha sem hesitações. Desprezamos a todo o custo essa machadada no que julgamos saber.
Inventamos desculpas, como a empatia de pacotilha, a qual é papagueada até à desagregação, evitando os objectos capazes de nos fazerem tremer.
 
O pensamento é um pé de cabra, só ele pode escancarar as portas que teimam em não abrir. Há demasiadas coisas a lamentar nessa viagem. É uma jornada penosa que atravessa os apeadeiros do inferno. Como é então possível que nós o celebremos?
Quanto aos outros não sei, mas a mim aborrece-me a condição de homem ingénuo. Só há duas formas de estar vivo: ou a lutar ou a fugir, ser ingénuo ou ser herói; todas as outras mais não fazem do que diversificar os cambiantes. Mais uma vez Homero: o cerco da Ilíada, ou a jornada da Odisseia.
Herói, entenda-se, é aquele que dá um salto rumo ao desconhecido.
 
Para o homem que envereda pelo trilho do tumulto, o lado trágico adquire uma intensidade extremamente penosa. Esse jogo coroa, inevitavelmente, o esmagamento do ego. Doravante tudo parecerá irrisório: nada me poderá tentar a não ser o amor. Acrescento: amor sem máscaras, dado que a ingenuidade, uma vez perdida, jamais será recuperada.
 
Pensar até que o mundo deixe cair as suas máscaras é a única escolha possível, se não quisermos sucumbir à fantasia imbecil de que somos reis e senhores do universo.
 

Pensamento, Roberto Gamito

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

subscrever feeds

Sigam-me

Partilhem o blog