Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

07.04.21

A mão ignora, feliz da vida, a existência de um escriba arruinado. Em jeito de aparte mas com voz de protagonista, o rodapé declara: se não tivermos cuidado, toda a nossa vida pode converter-se numa enorme bagunça. Se Deus se dignasse a aparecer à minha frente, era capaz de Lhe perdoar tudo. Graceja, graceja.
Ó mãe destas linhas grávidas de solavancos e cotovelos, não estarás tu a enganar-nos? Eu bem tento, porém não vos consigo passar a perna. São demasiado astutos para mim.

À parte isto, não pretendia vadiar por aí de onda em onda qual golfinho solitário a chegar tarde e a más horas aos cardumes de peixe miúdo. Onde se lê peixe miúdo deve ler-se acontecimentos ou dias, postularão os exegetas.

Não tenho tempo para outras palavras que não as minhas, são as mais fortes do meu arsenal. Longe ou perto do cadafalso, não contem comigo para, num assomo de fraqueza, comunicar: “estas palavras são demasiado fortes para aquilo que tencionava expressar”. No que depender de mim, nunca diluirei a língua em fanfarras passageiras e procissões duradoiras. Se me querem deslindar, terão de me ouvir como quem se espuma ao descobrir que foi envenenado.

Infelizmente, não podemos dedicar-nos totalmente ao amor; como sabem, não paga as contas. Sobram-nos, na melhor das hipóteses, espectáculos exóticos para entreter pupilas desmioladas.

No princípio, uma cabeçada numa pedra. Amnésia, segundo li ou sonhei, é não sabermos quem somos e querermos desesperadamente saber. Como reverter a amnésia? Não está fora de cogitações dar uma cabeçada em todas as pedras do mundo. Quem sabe. Seja como for, pior não há-de ficar. No fundo, tudo se resume a isto: ficar ou fugir; resistência ou aceitação. Quem és: uma criatura acocorada ou um animal vertical? Não respondas já, não te precipites, só tens uma hipótese.

O monstro está demasiado grande. Não há Hércules nem Héracles que nos salvem de tantas cabeças esfaimadas. O computador, melhor dizendo, o teclado não pára de latir. Recordo-me do ruído terapêutico da máquina de escrever. Como uma gelatina e retomo o ruído. O médico tirou-me a bebida e levou-me o cérebro. Seja qual for a linha, seja qual for o autor, não há lições a retirar. Em todo o caso, a natureza ensina-nos o seguinte: os animais mais nobres são sempre os mais fugidios. Entretanto, o engodo é aperfeiçoado. Estamos de regresso a casa por um trilho diferente: o verbo amar mostra-se invulgarmente hostil. Não se deixa conjugar facilmente.

 

Sorria, Está a ser devorado, Roberto Gamito

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Sigam-me

Partilhem o blog