Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.

Fino Recorte

Havia uma frase catita mas que, por razões de força maior, não pôde comparecer. Faz de conta que isto é um blog de comédia.


Roberto Gamito

15.03.21

De uma maneira ou de outra, às escâncaras ou às ocultas, o Homem está ocupado com a preparação da sua morte para que, chegado o dia derradeiro, não falte nada. O amor e a morte equivalem-se. Ao rés da morte, falamos quase a mesma língua. O mesmo é válido para o amor. Porém subsiste um grão de ignoto, o qual nos conduzirá à ruína ou à loucura via ciclo de perguntas, do qual não sairemos de pé. Uma questão sobrevive a todas as provas: será esse o grão de verdade? Esse grão de luz cifrado segundo o qual governamos a nossa vida. Há muitas formas de cair, simulacros caseiros da queda de Satã. Cada Homem, cada época pariu as suas formas de cair. Entre o nascimento e a morte, cabe-nos realizar uma síntese de uma série de trabalhos forçados. Se for elaborada competentemente, ficará o legado. 

Eu sou um outro, disse o poeta, de seguida regressou à fila do esquecimento, à espera da sua vez. Por azar, puseram-nos com os leigos, os quais escorraçam a morte e o amor com acrobacias de funâmbulo vaidoso e rasteiro. Aos poucos, a nossa língua é rapinada; sobra-nos o eco, suportável apenas quando o tom é irónico. 

Não lhe quero mal, mas também não me consigo decidir se lhe quero bem. Eis o que diríamos se fôssemos sinceros. De tempos a tempos, a fome adopta outro desgraçado, leia-se poeta, caído canoro emprestando o sangue ao ofício. Doravante a sua vida torna-se intransitável. 

Um perfume, repescado em boas condições pela memória, quiçá o início de um novo mundo, sucumbe à realidade, acabando por agrilhoar o Homem pelo nariz. Não sou um nem cem mil. Quando muito, Ninguém; em virtude da odisseia, Ulisses.

Mas afinal o que é a vida? Provavelmente um escultor, dado que passamos de um bloco à forma humana. Uma certa pretensão de alcançar a eternidade logo refutada pelo tempo, o maior iconoclasta. O tempo, que nunca largou a marreta, é Shiva, destrói o mundo numa dança de mil braços enquanto sorri. Como sobreviver de pé sabendo que ombreamos com efémeras ideias postiças? As histórias, que contamos uns aos outros desde o início dos tempos, são dedicados paliativos. 

No fim de contas, somos inúteis perante as órbitas dos problemas. O sangue, o histórico, retocado ao gosto do dia, o cérebro, uma pedra a esfarelar-se. Há choro que chegue para todas as mortes. 

As mãos aquecendo, cultivando clandestinamente um outro tipo de ataque; não basta tirar as ideias do pedestal, pedir ao martelo iconoclasta a poda das estátuas, urge ousar o impossível. Vencer a morte no seu terreno, ó meus jovens kamikazes.

Como o samurai que, ao cometer seppuku (haraquiri, mas o termo preferencial é seppuku), aproveitou as horas de agonia para escrever um poema breve sobre a natureza. 

À beira da morte
cantou o amor
pelas causas perdidas.

Enfim, não passamos de cronistas empenhados a coligir despedidas. 

Amor pelas causas perdidas, Roberto Gamito

 


Roberto Gamito

20.02.21

Aprendemos, por tentativa e erro, a tecer as nossas vidas. Ninguém nos ensina a fabricar uma teia em condições, pelo que, ao poisarem nela, os sonhos rapidamente esvoaçam para longe, ridicularizando a esparrela. O fardo de uma vida desprovida de alegria, a qual podíamos traduzir como vida sem norte, sem destino, uma vida de autêntico náufrago. Podíamos afirmar, sem exagero, que o Homem, enquanto bicho acanhado a braços com a sua vida, é o protagonista num palco inclinado, quer vejamos a peça como tragédia ou farsa.

Dessa cisão entre o que foi e o que poderia ter sido irrompe o eflúvio que contamina os passos ulteriores. A ficção sangra e afugenta o futuro.

A inflação da depressão desgastou as relações industriosas com o mundo para lá do ponto de ruptura. Personagem ou o meu retrato?

Os demónios, hierarquizados numa escala de gritos, aguardavam nos bastidores por esta oportunidade a fim de que as suas ideias fluíssem sem obstáculos para o vazio gerado pela depressão.
O suicídio passou a atormentar-me os dias. Condenado à competição perpétua com os cães que me abocanham, qual Actéon tornado veado, reinterpreto a minha biografia como um erro dispendioso.

O fogo dos últimos dias não deve ser consumido cru. Queremos exercer o controlo das nossas vidas, mas o titereiro não consente.

No âmago, as frases desordeiras descrevem, ao chegarem à mão fragmentadas, um sentimento de frustração. Volta e meia renasço. O amor pelas pequenas coisas arruinou a minha experiência.

 

Tentativa e Erro, Roberto Gamito

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Sigam-me

Partilhem o blog